PORTFOLIO.NET.BR/LBR-2007©2020 webdesign: Luís Fernando Couto

Al rights reserved-LFC-P/2020

COMENTÁRIO

Papel Mágico (1985)

 

Luís Fernando Couto, carioca do bairro do Flamengo, fez do seu ambiente profissional - artes gráficas - o laboratório onde desenvolveu a magia de suas fórmulas, que assumem hoje nas artes plásticas brasileiras um papel se não de todo inovador, pelo menos criativo e diferente.

 

Papel Mágico, título geral de suas exposições, é um momento ainda de evolução que se iniciou nos bancos escolares, com o contato e manuseio dos primeiros cadernos. Arrojado, a criança então não se limitou apenas ao lazer de fabricar inocentes aviõezinhos. Com estruturas de caixas de sapato (papelão) e algumas folhas de caderno viu crescer sua primeira obra: a maquete da escola onde completou o primário. Luís Fernando fez da convivência com diversos tipos de papel, de diferentes gramaturas e variadas texturas, o caminho de sua arte. Inicialmente, surgiram carros fantásticos, compostos em sua maioria apenas de papel. Aos poucos, foram se aglutinando diversas peças de sucata - o chamado "lixo da civilização" - e hoje são até dirigidos por controle remoto. Pesquisa, muito suor e mais pesquisa! E tudo por conta própria, pelo gosto de fazer. O artista é autodidata.

 

Agora, Luís Fernando Couto nos apresenta um outro ângulo de suas miniaturizações em papel. São instrumentos musicais, tão perfeitos quanto os originais, onde o papel é pintado, dobrado ou alisado para assumir forma, textura e resistência de madeira, metal ou fibra. Esse trabalho tridimensional do artista pode ser definido (?) como pintura-escultura, pois as duas artes se mesclam aqui em perfeita harmonia.

 

Com apenas uma tímida apresentação em uma feira de artesanato, foi convidado a ser um dos seis representantes brasileiros na exposição montada durante o XXV Congresso Mundial da Sociedade de Educação Através da Arte, realizada no campus da UERJ, em julho de 1984, pela originalidade da sua arte: tão simples, tão apurada e tão importante pela dimensão que assume no mundo de hoje - um tempo de fórmulas prontas.

 

Fernando Cardoso, jornalista